sábado, 13 de junho de 2009

Contos de amigos

Parte 2 – O corpo dela tinha muito mais músculos

** Por Krusty

Não deu nem tempo. Ela continuava com a perna erguida, pé direito na minha coxa esquerda, ela em pé e eu sentado na cama depois daquela foda excelente. Contraía e relaxava aquela batata da perna grande, grossa e musculosa, e aproveitava para fazer pular e voltar a esconder o músculo frontal da coxa, aquele que fazia a dobrinha do joelho. E eu de olho naquele tríceps que havia apertado meio que sem querer enquanto a pegava por trás. Senti que tinha uma banana atravessada em diagonal na parte externa do braço dela.

Eu havia acabado de descobrir que curtia demais os músculos da perna da minha namorada. Na verdade, eu havia acabado de descobrir também que ela tinha esses músculos meio escondidos. E ela parecia até mais empolgada e excitada com isso tudo do que eu – confesso que sentia um pouco de vergonha por estar ali babando em seus músculos, uma sensação meio que misturada ao enorme tesão que eu sentia. “Aperta que é seu”, ela falou, enquanto eu segurava aquele músculo pulsante na sua batata da perna.

Uma mão minha estava na panturrilha sarada, outra foi automaticamente para o braço. Como que eu nunca tinha reparado, em quase um ano, que ela era musculosa, não só sarada? Dava gosto fodê-la, com certeza, nisso a gente era muito bom. E eu já ficava louco de tesão quando ela ficava pelada. Acho que eu gostava tanto dos peitos e daquela bunda linda que pode ser que nunca tivesse mesmo reparado nos musculinhos adormecidos em seu corpo. A bunda dela era mesmo redondinha, empinada e dura, nem muito grande, nem pequena. Era coisa de louco. Só depois que eu iria perceber que a gostosura da bunda estava diretamente relacionada com a saradice do seu corpo – e aí eu já gostava mais da saradice do que só da bunda. E ela tinha peitão arrebitado, grande sem ser molenga, e eu ficava louco, claro.

Sem contar que ela gostava de sacanagem comigo. Gostava de me deixar louco. Fazia de tudo: me acordava no meio da noite chupando meu pau, me recebia pelada em casa, quando eu chegava, ou vestindo só alguma sainha e sutiã, gostava de posições novas, por cima, por baixo, de frente, por trás, fazia espanhola, gostava que eu chupasse seus peitões, se contorcia quando eu chupava sua bocetinha, depilava para ficar mais macia para chupar. Fazia uns três meses tinha até liberado o cuzinho – no começo não gostou e até chorou, mas depois que aprendeu passou a liberar sempre que queria “comemorar” algo ou fazer daquela vez mais especial. Vagabunda.

Ela se ligou que eu curti ver e apertar aquele músculo que saltava ali, da parte externa do seu braço, e fez umas bombadinhas com ele, minha mão ainda ali, apertando. “Nossa, você é musculosa, e eu nunca tinha percebido?”, falei, meio gaguejando de tesão. “Então você gosta de músculos, né?”, a safada retrucou, e já virou de lado, com o bração esticado e aquele tríceps bombando na minha cara. Mordi, beijei, chupei, lambi aquele músculo, sem deixar de, ao mesmo tempo, apertar sua bunda e aquelas coxas grossas gostosas e aquela panturrilha trincada.

Ela virou de frente e tirou a camisa, pra me deixar mais louco ainda, com aqueles peitões parecendo que iam estourar o sutiã, as marquinhas de bronzeado escapando pelos cantos. E flexionou o bíceps, de frente pra mim, e eu vi aquele montinho de carne enrijecer e formar um muque maior do que o meu, como se tivesse meia bolinha de tênis cortada e enfiada por baixo da pele. Ela ficou parada, olhando o próprio muque, e esticava e flexionava o braço, vendo o músculo crescer.

Flexionava devagar, o músculo crescia lentamente, quando eu achava que já estava grande, crescia mais ainda. Flexionava rápido, o braço dela dobrava de grossura, a pele parecia que ia rasgar. Ela ficou um tempão assim, e eu babando e apertando esse muque. Ela flexionava com o punho cerrado, pulso virado pra cabeça, e o bíceps era como a metade da bola de tênis. Sem esticar o braço, girava o punho para fora, e o músculo se esticava ainda mais, sem diminuir de tamanho. De repente ela até fez o bíceps dar uns 5 ou 6 pulinhos, aí eu não agüentei e tasquei uma chupada nesse muque. Eu estava adorando, mordi o músculo e ela fez ele inchar e relaxar várias vezes bem na minha cara, na minha boca, e eu estava extasiado.

Ela me empurrou pra trás, então, e tirou o sutiã. Aqueles peitões duros e arrebitados e grandes me deixavam explodindo de tesão, mas na hora que ela flexionou os dois braços, na altura dos ombros, e eu vi aqueles músculos explodindo nos braços, eu me perdi, de verdade. Agarrei uma mão em cada muque e caí de boca naqueles peitões, chupei-os inteiros, os biquinhos ficaram saltados e as auréolas, escurecidas. Tudo isso sem soltar os brasços dela, e ela sem parar de dobrar e abrir os antebraços, fazendo os bíceps crescerem e diminuírem.

Ela me empurrou pra trás e veio por cima de mim, sem mudar a posição, aquelas tetas grandes bem na minha cara, os muques bombando e minhas mãos apertando. Sentou no meu pau e cavalgou, falou para eu não parar de chupar seus peitos, nem de soltar seus músculos. E começou a falar, meio alto até: “Então você gosta de músculos, né? Aperta meus músculos, aperta. Vou ficar mais forte ainda, vou ficar bem musculosa pra você”. Nem preciso falar que eu gozei de novo nessa hora...

Mas ela não deixou eu tirar, esticou o corpo pra trás, e voltou com os músculos bombando, os braços flexionados para dentro, à frente do corpo, os dois antebraços paralelos, acho que dava até para ela segurar os cotovelos. A visão daqueles bíceps e daqueles tríceps ao mesmo tempo era sensacional, ela apoiou uma mão no chão, do lado do meu ombro, e ficou com um braço esticado, servindo de apoio, para que ela ficasse debruçada sobre mim bombando aquele muque do outro braço para eu lamber, beijar e morder. Gozei pela terceira vez, e não tinha nem dois minutos que eu tinha gozado, nunca tinha conseguido duas em tão pouco tempo. Realmente aquilo estava demais.

Depois conversamos sobre isso, ela o tempo todo flexionava o muque ou a batata da perna, sempre que dava uma deixa, só para me provocar. Eu falei que não sabia que gostava, mas que estava adorando. A gente combinou de voltar pra academia, pegar pesado e atpe usar uns suplementos. “Quero crescer”, ela falou. “Acho bonito corpo com músculos, vou ficar musculosa, mais gostosa pra você”.

Depois eu conto o resultado.

Um comentário:

Anônimo disse...

Essas historinhas de namoradas malhando pra agradar ao namorado são demais... dão o maior tesão!